Fico triste com isso

“Encalhe de navio prova que governo Requião é inepto”, diz Rusch

do Fábio Campana

navio

Não foi por falta de aviso. O deputado Elio Rusch (DEM), líder da Oposição na Assembleia, disse hoje, durante a sessão em plenário, que o encalhe de um navio carregando 30 mil toneladas de fertilizantes na última sexta-feira, na entrada do Canal da Galheta, demonstra o descaso com o problema por parte da administração do Porto de Paranaguá.

“Há pelo menos três anos, estamos alertando o Governo do Paraná sobre o risco do encalhe. Infelizmente, isso acabou acontecendo. O governo adiou licitações, fez só agora uma dragagem emergencial com uma empresa em que a draga apresentou problemas e nada foi resolvido. Tanto é que o navio encalhou. Isso prova que o governo Requião é inepto”, disse Rusch.

A embarcação de bandeira cipriota, chamada UBC Salvador, ficou parada no canal até às 17h30 de sexta-feira, quando a maré alta permitiu que ela retornasse para a área de fora da Baía de Paranaguá.

O Cara

O ESTADO DE S PAULO,28 de junho de 2009

Depois de se referir ao presidente brasileiro dizendo "este é o cara", o presidente dos EUA, Barack Obama,voltou a elogiá-lo na terça-feira, desta vez saudando o "pragmatismo" de um Lula que causou espanto ao mundo – observou o norte-americano – ao transformar-se de "um esquerdista radical" num governante responsável, que realizou reformas de mercado e levou o Brasil à prosperidade. Obama estendeu o elogio à presidente do Chile, Michelle Bachelet, nomeando os dois como os líderes mais importantes da América Latina.

De fato o mundo não acreditava que Lula fosse capaz de dar guinada tão forte.Tanto que em 2002 o "pânico Lula" levou o dólar a quase R$ 4 (hoje metade disso) e o risco país a 3 mil pontos(atualmente temos cilado entre 360 e 400 pontos). Afinal, o sindicalista e dirigente do PT passou 20 anos pregando o calote na dívida, prometia "mudar tudo que está aí" e, pior,sem definir o que faria. Ao tomar posse, arrochou a economia para ganhar credibilidade e manteveintacta a política econômica "neoliberal" de FHC, que tanto combateu.

E Lula fez isso obrigado? Contrariado? Renunciando aos seus princípios e convicções políticas? De forma alguma. Obama tem razão em defini-lo como pragmático. Engessamento

ideológico tem o PT, não Lula. Rapidinho ele mudou. Pragmatismo e oportunismo andam colados em sua trajetória política. Na oposição, Lula rotulava FHC de "neoliberal"porque sua meta era ganhar eleições. No governo, assimilou a política "neoliberal" de FHC e ganhou o PT como opositor. Mas por pouco tempo: aumentou o tamanho do Estado, distribuiu cargos, saiu-se muito bem, e o PT, muito mal, nos casos de corrupção do governo e submeteu os petistas à condição de dependentes e reféns – não sobrevivem sem ele.

Hoje Lula colhe os frutos de ter feito a escolha a certa da e não seguir as maluquices inventadas pelo PT. Nesta crise econômica, os países latino-americanos menos afetados são o Brasil e o Chile. Os dois têm identidades e diferenças. Em comum, a abertura econômica,que no Chile é mais antiga e acentuada, e uma economia de livre mercado que avançou com as reformas macroeconômicas (política, tributária, do Estado, Previdência, trabalhista, sindical), embora ainda tímidas e insuficientes no Brasil. As diferenças: os indicadores fiscais no Chile são mais confortáveis – a dívida pública é nula,enquanto no Brasil e la oscila entre37%e39% do PIB;o Chile tem superávit fiscal e o Brasil, déficit; o Chile cresce continuamente há quase 20 anos e o Brasil, há 5 anos; em compensação, em2008oPIBbrasileiro expandiu 5,1% e o chileno, só 3,2%.

Ao dirigir-se a Michelle Bachelet, na terça-feira, Barack Obama elogiou o Chile por ter usado os superávits comercial e fiscal para criar um fundo anticíclico. "É uma boa lição para os EUA. Quando tínhamos superávit, o desperdiçamos",disse.Nisso o governo Lula se identifica com os EUA: nos últimos cinco anos de prosperidade, Lula aumentou os gastos públicos mais do que podia e desperdiçou a chance de reduzir a dívida pública e fortalecer os fundamentos da economia.

De qualquer forma, pragmático, oportunista ou demagogo, o fato é que Lula fugiu do caminho que seguem Hugo Chávez, Evo Morales e Rafael Correa. Disse não ao preconceito ideológico e ao nacionalismo irracional, e sim ao capital privado de investimento, seja nacional ou estrangeiro.É verdade que Lula reconheceu tarde a eficácia da privatização e destruiu boa parte do arcabouço institucional do Estado,politizando cargos,desacreditando a gestão pública e abrindo as portas à corrupção. Com isso prejudicou o potencial de investimentos,que fazem falta neste momento de crise.

Mas muito pior seria se levasse o País ao abismo da estupidez ideológica que predomina na Venezuela, na Bolívia e no Equador. Décadas de autoritarismo, populismo político, incompetência e atraso já deveriam ter ensinado às novas lideranças da América Latina a abandonarem o caminho do desinvestimento, da fuga de capitais e do retrocesso econômico, que só levam ao crescimento da pobreza.

Até setembro de 2008 nadando em dinheiro com o petróleo a US$ 150/barril, a Venezuela hoje padece os efeitos da crise e da queda do petróleo a US$60/barril. Hugo Chávez não aplicou em investimentos, não industrializou o país, não gerou novos empregos e hoje amarga problemas decorrentes da fuga de capitais, a disparada da inflação e dos preços de alimentos e o crescimento do desemprego e da pobreza.

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou de censura projeto de lei que endurece as penas para crimes cometidos na internet. O projeto ainda tramita no Congresso Nacional e o relator do texto na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado, Eduardo Azeredo (PSDB-MG), apoia a iniciativa. As informações são da Agência Brasil.

“Essa lei que está aí não visa corrigir abuso de internet. Na verdade, quer fazer censura. Precisamos responsabilizar as pessoas que trabalham com internet, mas não proibir ou condenar. É interesse policialesco fazer uma lei que permite que as pessoas adentrem a casa de outras para saber o que estão fazendo, até seqüestrando os computadores. Não é possível”, disse Lula. O presidente esteve no 10º Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre, e ouvir apelos da platéia para vetar a lei.

O texto prevê que, quem obtiver ou transferir dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado sem autorização do legítimo titular, poderá ser preso.

O projeto obriga, ainda, os provedores online a guardar, por três anos, os registros de acesso e encaminhar os dados à Justiça, quando solicitados para investigação. Com essas informações, a ideia é chegar ao endereço de um criminoso.

Para professores de comunicação e organizações ligadas à internet, atividades corriqueiras no mundo virtual, como baixar uma música ou um filme, poderão ser interpretadas como crime. Azeredo alega que o objetivo não é controlar o uso da Web, mas punir crimes via rede mundial de computadores, como cópia de cartões de crédito e senhas.